quarta-feira, 26 de março de 2008

Ver ou não ver, eis a questão

Ontem assisti no GNT ao documentário 'TV é uma boa baba eletrônica?'. Pra quem não viu, foram retirados por duas semanas as televisões, videogames e computadores da casa de algumas crianças de uma mesma turma escolar. Eram crias com 7 e 8 anos. Não vou ficar falando sobre o programa, mesmo porque deve reprisar umas trocentas vezes e quem tiver interesse pode assisti-lo em outro momento. Mas quero comentar duas coisas:
1) a família inteira deveria ficar sem utilizar os aparelhos no período. Mas dois pais/maridos trapacearam no meio do caminho. Um escondeu o laptop, evitando que lhe tirassem o brinquedinho, mas a filha acabou encontrando a máquina embaixo da cama do pai. O outro papi se trancou no escritório e foi assistir ao jogo de futebol no micro que não sei porque cargas d'água não havia sido retirado da casa. O filho, um dos mais viciados em TV, ficou puto, e com razão. A mãe pediu pra que o pai respeitasse a proibição, mas ele deu de ombros dizendo que ele tinha direito de assistir ao jogo do seu time e encerrou o assunto tomando um longo gole de cerveja.
Belos exemplos.

2) achei interessantíssimo a diferença de comportamento, produtividade e criatividade das crias nos períodos com TV e sem TV. E, quando eu me dei conta de que eu estava assistindo PELA TELEVISÃO a um documentário que falava o quanto a TELEVISÃO, grosso modo, nos faz perder tempo, desliguei a bichinha e vim trabalhar no artigo que estou escrevendo.
Quem disse que TV não serve pra nada?

6 comentários:

Enio Luiz Vedovello disse...

Há algum tempo, a MTV passou a colocar no ar, em horários aleatórios, uma vinheta que dizia "desligue a televisão e vá ler um livro". Ficava à vista por cerca de um minuto. Eu achei sensacional. Muita gente criticou.

Jane Murback disse...

Eu também assisti esse documentário (só o final).
Também no meio do documentário me dei conta que eu poderia estar lendo o livro que não há meio de terminar. Porém não tive forças pra desligar a TV. Dormi no sofá. Que horror. Depois acordei e tinha mil coisas pra fazer, arrumar o lanche do filhote, a mala, deixar bilhete pra minha ajudante, etc.
Cheguei à triste conclusão que TV é uma perda de tempo, um vício, deveria ser o vigésimo item da minha lista de afazeres. Eu deveria sentar no sofá somente após ter feito tudo, tomado banho, posto pijama, lido meu livro....

Toninho Moura disse...

A tv não é boa ou ruim. Boa ou ruim é a escolha que você faz do que você vai assistir.
E você pode mudar de canal...
Braços!

ale disse...

Ás vezes tenho vontade de fazer isso lá em casa. Principalmente quando assisto pela milésima vez o mesmo desenho.

Eva disse...

Acho que TV pode ser boa, ruim ou qualquer coisa entre esses dois extremos. O que a gente tem que manter sempre ligado é o critério e o bom senso, né?
Bjs

venuss disse...

ENIO: eu lembro da vinheta. Faz um tempinho isso. Eu ficava me perguntando duas coisas: o que o público da MTV achava disso e qual a estratégia da emissora por trás disso. Mas achava muito legal.

JANE: pois é, estávamos as duas assistindo e pensando a mesma coisa e ainda sentadas no sofá.
:)

TONINHO: jura que não é a TV que faz as pessoas matarem outras, as crianças ficarem violentas e os jovens usarem drogas? Mas vão botar a culpa em quem então?

ALE: eu tive uma experiência a contragosto de 10 dias sem TV. E não era em férias não, era aqui em casa mesmo. Isso foi lá no início do ano. Incrível como a vida de uma pessoa viciada em seriado pode mudar sem TV por 10 dias. Sorte que tava no período de reprises e nenhuma vez eu pensei em suidídio.

EVA, com toda propriedade de mestre falando do alto das suas trocentas horas assistindo TV pra pesquisa. (tô uma cretina hj, né?)