segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Banho de gato 3

Gato de apartamento de andar alto não precisa, em tese, de muitos banhos. A não ser que o referido apartamento abrigue, ainda que ocasionalmente, fedelhos desgovernados portadores de coisas melequentas e suficientemente hábeis pra conseguir segurar o bichano e esfregar nele um pirulito, grudar nele um chiclé ou besuntá-lo com negrinho. No caso da gata da venuss (vide post imediatamente anterior a este), acho que esse risco é praticamente inexistente. Então a decisão dela de só banhar a gata outra vez pra festa de 15 anos parece bem acertada.

De qualquer forma, aproveito o ensejo pra dar uma receita de banho de gato.

Ingredientes:
Shampoo de gato
Uma toalha de banho de gato
Panos pro gato deitar
Um box de chuveiro
Um secador
Um gato
Espírito de aventura
Distância (vários quilômetros) do marido, pra ele não presenciar a cena indigna que vai se configurar no banheiro da casa.

Importante:
Se o seu chuveiro tiver só cortina, nada do que está escrito aqui vale. É imprescindível que o gato seja passível de aprisionamento.

Modo de fazer:
Bem antes de dar o banho, prenda o gato na gaiola de transportar gatos. Gatos lêem pensamentos, quando você cogita dar um banho, eles captam a mensagem, e aí acionam o seu segundo superpoder, que é o de se desmaterializar irreversivelmente até você desisitir de dar o banho. Então antecipe-se, e prenda o gato bem antes.
Perto da hora H, mande o marido ir pro boteco tomar cerveja. Ele vai estranhar horrores, porque mulheres não costumam fazer isso de mandar o marido beber no boteco, então explique a situação pra ele não pensar que você arrumou um amante. Conte que vai dar banho no gato, sem deixar de esclarecer que gato, nesse caso, se refere efetivamente ao felino que mora com vocês. Seja franca e diga que não quer que ele, marido, a veja perdendo a compostura - como invariavelmente acontece quando se dá banho em gato.
Leve o gato ao banheiro, feche a porta e abra a gaiola do gato pra se divertir com as tentativas desesperdas dele de sair dali enquanto prepara tudo.
Tire a roupa até ficar de calcinha e sutiã (a sua roupa - o gato pode ser peludo, mas já está pelado). Coloque a touca de banho.
Ligue a água do chuveiro, regule a temperatura, acione a mangueirinha.
Tire o gato de cima do lustre, coloque no box, entre também e feche a porta numa fração de segundos (você pode treinar antes, sem o gato, pra ganhar agilidade para esse momento crucial do processo).
Pronto, agora você já é praticamente uma vitoriosa da fase I (a fase II que é a da secagem tem algumas complicações, mas nada que você não supere). O gato, mesmo ensandecido e desesperado, não vai conseguir fugir. Você, que não é boba nem nada, não vai nem tentar segurar o ser unhudo. Ao invés disso, vai ficar tentando molhar o gato com a mangueirinha.
Lá pelas tantas você consegue molhar o bicho - afinal ele vai estar esbagaçado de tentar sair do banheiro, de ficar pendurado na luminária e de tentar fugir da água da mangueirinha.
Dê uma risada maligna pra sinalizar pro gato quem é que manda.
Encurrale o bichano num canto do box.
Sem tentar segurar o gato no colo, passe o shampoo nele do jeito que der.
Repita a brincadeira de tentar molhar o gato. Se você já conseguiu antes, agora vai ser moleza.
Dê outra risada malévola para marcar o momento de êxito e fixar a mensagem de que você é definitivamente a fêmea alfa do pedaço.
Passe uma água e um sabonete em você, pra não ficar com o cheiro do shampoo de gato que obviamente respingou no seu corpo aos montes. Ainda bem que você estava de touca de banho, senão ainda por cima teria que lavar o cabelo.
Desligue a água. Saia do box chutando o gato com cuidado, apenas com força suficiente para que ele não saia também, evitando pô-lo inconsciente ou coisa pior.
Seque-se com a toalha (a sua, não a do gato).
Entre novamente no box, munida da toalha (do gato, não a sua).
Tente tirar o excesso de água do animal com a toalha. Não vai dar muito certo, mas azar.
Abra o box e deixe o gato sair, mas evite que ele volte ao lustre para evitar curto-circuitos.
Peque o secador e faça mais ou menos o mesmo que com a mangueirinha: fique mirando no gato e tentando acertá-lo enquanto ele foge do ar quente como o diabo da cruz.
Quando o gato estiver menos encharcado - por causa do ar quente ou da correria, não interessa, o que conta é o resultado - e você estiver exausta de tentar secá-lo direito, desista. Saia do banheiro. Use novamente chutes leves para evitar que o gato saia junto.
Deixe o gato úmido preso no banheiro por algum tempo - umas duas horas mais ou menos. Nesse tempo, ele não vai secar, mas vai ficar menos úmido.
Enquanto isso, troque de roupa e espere o marido voltar.
Lá pelas tantas, solte o gato.
Quando o marido chegar, aproveite todo o know how adquirido pra dar um banho nele também - ele vai estar pinguço, precisando de uma boa chuveirada. Lembre-se que agora tudo fica mais fácil. Maridos não tem unhas pontudas, não sobrem no lustre e em geral são menos peludos que gatos.

9 comentários:

venuss disse...

hahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahahaha...


Depois que eu recuperar o fôlego, eu tento comentar este post. Se bem que ele vale outro post.

Enio Luiz Vedovello disse...

Gostei, quase igual o que eu costumo fazer. Só que, como sou muito maior e mais forte que a minha gata, e como tomo o cuidado de aparar as unhas na véspera, consigo segurar as quatro patas com uma das mãos, enquanto uso a outra para lavar. Depois de lavada, antes de usar a toalha, espremo-a para retirar o excesso de água. Enrolo na toalha e vou soltando partes do corpo aos poucos, para secar. Depois de secar, solto-a e ela some pela casa, a se lamber até achar que está "limpa do banho", revoltada comigo. Pobre do cachorro se passar perto dela, nesta hora.

Eva disse...

VENUSS: isso, isso, isso, mais postos, mais posts, mais posts.
ENIO: morro de medo de cortar a unhas da Meg e atingir aquele vasinho sangüíneo que fica no meio da unha. Mas reconheço que aparar as benditas garras é uma boa. Agora me conta: como faz pra soltar um gato aos poucos? Isso realmente é possível?

rsfoggia disse...

Minha mãe não dava banhos,mas passava aspirador de pó no gato toda a semana. Explico, era sua técnica para eliminar as pulgas: segurava o gato com uma das mãos, quase esmagando-o contra o chão para evitar de sugá-lo junto com os insetos malditos, e com a outra ia passando o aspirador. É claro, ao som de uma bela sinfonia de miados. Isso no tempo em que não existiam coleirinhas anti-pulgas. Mas não sei se ela passava aspirador no meu pai depois. Melhor não perguntar.

venuss disse...

ENIO: adorei a parte que ela some pra " se limpar do banho". A minha faz a mesma coisa. E só pára de se lamber umas 4 horas depois, totalmente exausta.

RSFOGGIA (que eu sei que é a Angela): passar aspirador no gato deveria vir com receita, modo de fazer e aulas práticas.
:)

Enio Luiz Vedovello disse...

Enrolando-a bem apertado na toalha. Aí solta uma pata, seca, depois solta outra, seca...
Quanto às unhas, eu procuro olhar com cuidado para cortar a parte transparente, pouco acima da ponta. É o suficiente para sobreviver...

Maroto disse...

moro em casa,não apartamento, minha gata tem pelo curto, meu filho é um monstrinho mas não meleca a bichana. Mesmo assim, vou dar banho nela só pra depois passar shampoo de gato mo marido. Fetiche, quanto mais maluco, melhor :)

venuss disse...

MAROTO: depois tu conta a experiência...

Eva disse...

RSFOGIA: meu Deus, essa do aspirador eu preciso tentar em casa. Amei.
ENIO: acho que vou tentar cortar as unhas como ensinas, a Meg está tão unhuda que fica pendurada pela patas quando vai afiá-las no sofá.
MAROTO: fico pensando o que o marido faz pra retribuir o banho com shampoo de gato...