segunda-feira, 16 de junho de 2008

Aventura felina

No dia das mães levei duas gatinhas de 4 meses de presente pra mamis. São gatinhas que foram resgatadas da rua e estavam numa casa de passagem de um casal que cuida de cerca de 100 felinos e que eu costumo visitar e contribuir financeiramente (os gatinhos deles estão anunciados para adoção aqui).

Pois não é que ontem as duas farofeiras resolveram se aventurar por Salva City. Mesmo tendo 3 camas de gente, 2 camas de gato, 5 sofás com mantinhas, um fogão a lenha a todo vapor esquentando a cozinha e uma casa inteira pra se instalar, elas resolveram dormir no motor do carro. Super confortável e tranqüilo. Meu irmão saiu motorizado pela metade da tarde com as duas enfiadas ali. Detalhe, ninguém tinha certeza de nada, minha mãe depois de dar por falta das crias, supôs que esta fosse a explicação pro sumiço, pois gavetas, armários, baús e todas as caixas e buracos já haviam sido revistados. Aí ela me liga preocupada e eu a 100 Km longe passo a roer unhas e a rezar, pois era a única coisa que me ocorria. Além de pensar em todas as coisas ruins que poderiam ter acontecido. Mas o mais intrigante era o sumiço em dose dupla. Roubadas, pensei eu. Mas e quem iria roubar duas gatinhas que disputam com a NãoSei o troféu chumbreguice do ano? Ficava imaginando a cena de um carro em alta velocidade freando, uma mulher muito má descendo e roubando as gatinhas que, como todo vira-lata, são super dadinhas e se entregam a qualquer pspspspsspps.


Mamãe saiu pra catar as gatas por onde meu irmão andou e nada. E dormiu, ou ao menos deitou na cama, sem as suas duas companheirinhas. De manhã ela me ligou e nada. E eu já pensando em ir até lá pra passar de casa em casa procurando as ditas. Fiz um cartaz de procura-se pra ela espalhar pela cidade, com gratifica-se, vai que a mulher má gostasse mais de dinheiro do que de gato. Lá pelas 10h de hoje mamãe liga chorando de feliz e eu respondo chorando de feliz e aliviada: ela estava indo buscá-las. Tiveram a sorte de encontrar uma pessoa boa no meio do caminho. Elas estavam a menos de 2km de casa (tá a cidade tem só 3km, :-P). Mas o homem que as viu chorando nos corredores do prédio em que ele mora arrumou um cobertorzinho pra elas e tocou elas pros fundos, pra um lugar cercado em que elas tivessem menos chances de fugir.

Por sorte, a moça que faz a faxina na casa de mamãe é a mesma que limpa neste prédio e em pouco tempo as conexões foram feitas. Quando a minha mãe chegou lá, a arreada da Sinhá tava tomando banho de sol na boca do bueiro. A Lua, por sua vez, tava enfiada dentro do bueiro abrigo. As duas reconheceram a voz da minha mãe e o final feliz tá aqui no Calçolas.

As duas feras adolescentes antes de fugir de casa (ainda estou sem fotos boas delas e por pouco fico sem chance de fazer novas imagens das bichinhas aventureiras).

6 comentários:

lottery ticket draws disse...

Thanks to the blog owner. What a blog! nice idea.

Débora Elman disse...

Elas também viram "o beijo roubado" e saíram aventurando. O que elas não contavam era com a polícia secreta de Salvador do Sul. O que tu fazia para conseguir namorar, hein...

Cláudia disse...

Mas que coisa...olha que ainda são bebes, imagina o que vão aprontar quando ficarem maiores!!!!! rsrsrsrs
elas são muito lindas!

(A próxima enquete lá do beco será sobre "o que os donos de gatos são capazes para satisfazer os bichanos", aguarde...)

bjs
Cláudia

Toninho Moura disse...

Hum..., gatinhas..., hum...

disse...

ah, que gatinhos mais lindos!!!
:)

venuss disse...

DÉBORA: vou proibir cinema pras crianças e adolescentes.
E o que eu fazia pra namorar em Salva City, não conto pq vai que tem uma adolescente de lá que lê o blog, vou acabar dando idéias.
;-)

CLAUDIA: nem me fala... ultimamente a dupla dinâmica deu pra seguir a minha mãe quando ela sai a pé. E ela tem que voltar várias vezes com as peludas no colo. E elas sempre escapam e a seguem de novo.

TONINHO: sim, miau, miau.

DÊ: vai dizer, todo gatinho é lindo, né?