sexta-feira, 25 de abril de 2008

Experiências de consultório

Bom, só pra mandar notícias, a virose emendou numa crise de rinite alérgica. Acho que tenho rinite desde que eu me conheço por gente. Sou daquelas que ganham qualquer campeonato de espirros por minuto. E eles não são nada discretos. Toda manhã, esteja em crise ou não, eu espirro muito, principalmente antes das 10h da matina. Até o vizinho do prédio do lado, que não é tão perto assim, de dentro do seu apartamento já gritou saúde pra mim essa semana. Vizinhança muito educada essa.
Pois faz três anos que me trato com homeopatia pra rinite e tem dado bons resultados. Ao menos quando lembro de ir ao médico. Consegui ficar mais de 1 ano sem crise nenhuma quando levei o tratamento a sério, mas tenho que lembrar de voltar ao menos 1 vez a cada 365 dias. Pra variar, o meu prazo de volta à homeopata tá vencido, mas é por uma boa causa.
Comecei me tratando com uma médica ótima. Mas até por ser tão boa ela acabou se descredenciando do convênio e só atende particular. Aí, no ano passado, resolvi que iria procurar outra homeopata nas opções que o convênio me dava. Como eu já sabia o que eu tomava, levei o histórico das poções mágicas que a outra me deu, o que aparentemente me dava garantias de que o troço ia continuar funcionando, ao menos na minha visão que naquele momento era a de alguém que não tava a fim de gastar muito.
Cheguei na médica e dei de cara com uma mulher com milhares de colares e um piercing no nariz. Nada contra piercings, até porque tenho um no naso e já tive um na sobrancelha. Mas o brinquinho dela era uma libélula de tamanho considerável e que deixava o rabo pendurado para além dos limites do nariz. Era quase um filhote em tamanho natural e eu não conseguia tirar os olhos daquilo. Ok, médica alternativa, muito bem.
Ela começou a fazer aquelas perguntinhas básicas sobre a minha personalidade que as homeopatas sempre fazem. Depois de ouvir um pequeno relato sobre os sentimentos e a forma de experienciar o mundo de venuss, ela me perguntou se eu já tinha feito alguma coisa a esse respeito (?). E eu disse que fazia análise há alguns anos e ela: "e tu ainda é, assim?" Enquanto eu me ocupava em juntar o meu queixo, ela começou uma série de comentários super espirituosos. "Mas a tua analista ainda não te disse que tu não pode ser assim, que tu tem que mudar, ser diferente? Tu sabe que esses terapeutas não dizem isso pros pacientes porque aí eles se curam e eles deixam de ganhar dinheiro. Mas eu tô te dizendo que tu tem que mudar. Tu não pode ser assim como tu és porque..." Bom, além da mulher ser extremamente antiética, ainda ficou me dando xixi. E eu estava super sensível naquele dia, quando cheguei na garagem pra sair de casa, o gato da vizinha do andar de cima tinha caído perto do meu carro e eu nunca vou esquecer dos olhinhos de dor que ele me olhava. (Parênteses: a dona praticamente chegou junto comigo na garagem e chamou o veterinário. Ele se recuperou, está muito bem e seguidamente me espia enquanto eu trabalho. Fim do parênteses).
Esperei a tia terminar a sua longa fala sobre ser ou não ser como ela achava que eu deveria ser e disse: se as coisas fossem tão fáceis como a senhora está dizendo, a senhora podia sair por aí dizendo pra todos os neuróticos que eles não podem ser como são e todos estariam curados. Aleluia! (O aleluia eu não disse, é só pra ficar bonitinho no blog, mas eu concluí dizendo que ela tava perdendo tempo sentada naquela cadeira enquanto ela deveria estar curando pessoas simplesmente determinando como eles podem ou não pensar e agir).

Eu juro que eu queria terminar aqui este post dizendo que eu levantei a bunda da cadeira e deixei a mulher sozinha me olhando, mas não. O nariz é fraco. O inverno estava prestes a começar e eu precisava da minha dose anual anti espirros.

E óbvio que ela viu que eu não gostei nadinha do que ela disse, tentou remendar alguma coisa, mas eu não lembro de nada que ela falou, tudo que saía da boca dela tomava a forma de um blá-blá-blá em câmera lenta e o que eu queria mesmo era a minha dosezinha de licopodium (acho que era esse o nome da poção mágica).
Ela me deu a receita, pediu pra que que voltasse em três meses. Um ano se passou e ontem eu marquei homeopata de novo. E não é com a tia da libélula.



Essa é a imagem mais próxima do piercing que eu achei na internet.

12 comentários:

Lilith disse...

Querida venuss, sim, sou sua amiga dessas andanças pós-gradualescas...mas, como vc, e a eva, tb estou usando o meu "nome fantasia", por assim dizer. Te disse, quando nos entramos naquela universidade querida, que eu sempre lia o blog...tu vai lembrar, isso, a amiga que te mandou a matéria sobre as roupichas das mocinhas "menos favorecidas"....eu mesma.
Fiquei muito identificada com tua estória, pois comigo aconteceu muito parecida. Eu, faz pouco tempo, me consultando com uma ginecologista e obstetra, uma médica até então muito boa interessada, uma senhora experiente dos seus, digamos uns 68 anos, imagino (e sabe o quanto prezo as pessoas da "melhor idade"). Então, por curiosidade, perguntei a ela como funcionava os procedimento para realização de laqueadura. Sim, sou jovem, sim não tenho filhos, mas queria saber, uma simples informação. Ela questionou se eu não queria ter filhos, e eu falei que, sinceramente não. Meu, a mulher só faltou me bater. Disse que como, eu, jovem daquele jeito (na época o calendário marcava 27 primaveras) poderia OUSAR pensar em não ter um filho, que absurdo, onde já se viu, etc, etc. Ficou uns 10 minutos me passando um sermão bravo. Fiquei tão chocada que não tive reação. Depois fiquei p. da vida comigo, devia ter pelo menos perguntado: ok Dra. quanto é mesmo que a senhora vai contribuir mensalmente para a criação do bebê? Eu só queria uma informação, simples assim....Não preciso dizer que nunca mais pisei lá...Agora arrumei uma médica japonesa, tudo de bom...mas, com medo, ainda não perguntei nada disso....vai saber...Bjo prá vcs duas...adoro o blog.

Carolina de Castro disse...

Rsrsrsrs
Adoro seu blog.
Adoro!

Toninho Moura disse...

Menina! Num fique assim não! Olhe, vai passar tudo, viu! Vou lhe ascender uma vela!

ale disse...

Guria, quanta gente sem noção que tem por aí!! Ri muito imaginando o vizinho te dizendo saúde!! Bom, melhoras e que a poção milagrosa faça efeito!

Maroto disse...

essa homeopata-libélula precisa urgentemente de um psicólogo de botequim minimamente competente que a ensine que quem fica dizendo que os outros não podem ser como são, ou como os outros devem viver as próprias vidas, é que é neurótico. Psicótico. Mal resolvido. Mal amado.
Botar o dedo no nariz do outro é fácil.

Akinol disse...

See Please Here

Sean Hagen disse...

*



putz, comecei lendo estusiasmado e já pensando em pedir o nome da vivente, mas agora quero é distância.

fico imaginando: se ela tinha uma libélua desse calibre no nariz, o que terá em outras regiões?
eita.




*

Toninho Moura disse...

E aí mina, já melhorou?

Eva disse...

venuss querida, depois das 4 horas na emergência (?) do hospital e da lacraia de piercing, tá na hora de abrirmos um novo tema ligado à saúde pra identificar os posts, não achas? Que monstra essa mulher.
Bjs solidários

Enio Luiz Vedovello disse...

Como alopata que sou, sugiro uma consulta a um bom alergologista, para determinar as substâncias que provocam as crises de rinite. Um tratamento com vacinas específicas pode dar um resultado muito mais efetivo e permanente do que as bolinhas de açúcar.

Se a idéia de abrir uma tag específica para saúde for adiante, podem contar com a parceria.

Penkala disse...

meo, vou agora, a-go-ra dizer pra minha mãe que SEUS POBREMA SE ACABARAM-SE! nunca mais ela vai ser atormentada por pacientes na vida, a não ser que ela queira manter a fonte de bufunfa. é só ela dizer pro neguinho "pára cuéssa mania, seu doido", que o maníaco pára. ou "chega de pensar que vai morrer toda hora, porra!", e plim! ou melhor "tá, pirou, né? vamo pará de deprê e depois de surtinho psicótico que isso tá me irritando!"

ula, essa tua (ex) homeopata é uma homeoasna, isso sim. inda bem que tu fugiu!

venuss disse...

LILITH, esse seu nick, pseudônimo ou nome fantasia é a tua cara. Acho que combina muito bem com os teus cachos.
Com esse teu relato tô achando que isso deve ser a ordem natural dos sermões na vida das mulheres: primeiro a mãe, depois a profe e, mais tarde, quando já forte e totalmente criada, médicas sem noção.

CAROL: és muito bem-vinda aqui. Falo por mim e pela Eva.

TONINHO: tem que ser vela de 7 dias, no mínimo. Melhor se for de 4 meses, pra durar toda a estação fria.

ALE: dia 6 é a consulta com a nova homeopata. Tomara que faça efeito sim e que eu não tenha que ouvir sermão.

MAROTO: bem que essa homeopata-libélula (que tb é pediatra - uia!) podia dar uns vôos mais altos e encontrar uma urubuzinha bem inspirada e marota por aí.

SEAN: prefiro nem saber.

TONINHO: tô melhor, quase boa. Mas correndo pra recuperar o tempo perdido na cama (descansando, veja bem).

EVA: se eu continuar escrevendo sobre pOblemas de saúde, vou mudar meu nick pra Maria das Dores.

ENIO: eu já consultei 2 alergistas, já fiz o tratamento das vacinas aquelas e o que realmente me deixa mais em paz com o nariz é a homeopatia. Acho que é pq eu acredito naquele açúcar.

PENKA: acho que a homeoasna (adorei!) podia dar workshops pra psiquiatras, psicanalistas e psicólogos com o tema: como parar de ganhar dinheiro. Que tal?