sexta-feira, 10 de abril de 2009

De ovos e coelhos

O ovo de chocolate, que antes era o centro das atenções pascoais, e tinha valor simplesmente por ser ovo e de chocolate, virou outra coisa. Virou embalagem pra brinquedinhos, bichinhos, joguinhos, carrinhos, brilho labial e até toalhinha de rosto. E se metamorfoseou em bola, cubo, coração e sei lá eu mais que formas.

O coelho de chocolate está praticamente extinto, anda mais raro que mico leão dourado. Sobraram uns poucos, escondidos pelas gôndoloas, esperando pra serem incluídos na lista de animais ameaçados.

O ninho, que era um, se multiplicou loucamente e agora todo mundo ganha ninhos em toda parte, e o total de calorias ingeridas na semana da Páscoa daria pra alimentar uma famélica família africana por 24 meses.

A Páscoa definitivamente não é mais a mesma.

Eu prefiria a de antigamente, com um ninho só, arduamente batalhado depois de longas expedições pelo quintal. Eu amava aquela cestinha (que era sempre a mesma, entra ano, sai ano) que no fim da manhã ficava cheia de minicoelhos, ovos de chocolate ovais e que no máximo tinham dentro uns bonbons ou outro ovinho, ovo de açúcar (nunca mais vi ovo de açúcar, que fim terão levado?) e casquinhas de verdade, recheadas com amendoim meio mole, que quebravam sim, e daí? Eu tinha loucuras pelas manhãs de Páscoa, com ovo cozido duro tingido no café da manhã, daqueles que sempre tinham um quebradinho na casca, o que fazia com que dentro eles também ficassem meio coloridos. A gema dura ficava o máximo quando misturava o esverdeado natural dela com a cor do ovo, em geral roxão ou rosa muito forte.

Feliz Páscoa.

9 comentários:

Claudia Goulart disse...

Pra quem tem filho pequeno ou adolescente, que ganha ovos e chocolates de toda a família, o aumento de calorias na época da Páscoa é enorme!
Estamos conseguindo diminuir um pouco a cada ano mas ficar sem chocolate tb não!!
Boa Pásco!
bj

Tânia (Marienkäfer Laden) disse...

Eva, como vc é do Sul, deve ser comum essa expedição pelo quintal. Aqui eu nunca tinha ouvido falar nisso. Eu creio que é uma tradição européia (alemã) essa coisa de esconder os ovos e depois colocar junto com outros :)
Aqui só tem essa coisa de ovo da Lacta, da Garoto que é entregue diretamente pra pessoa.
Bjos!

Édnei Pedroso disse...

Uma cesta só pra vida toda?????

E como tu pretende solucionar o mercado dos pobres índios do Morro do Osso, que vivem de vender cestinhas ano após ano?=P

Beijos, e Feliz Páscoa.;-)

Claudinha disse...

Feliz Páscoa pra vcs tb, Eva e venuss!

Toninho Moura disse...

Eu prefiro as Coelhinhas da Playboy!

ale disse...

Sabes que eu tava pensando nisso hoje? Também não gosto de como as coisas são hoje. Acho sem graça, superficial e feio. Pena. Mas mesmo assim, feliz páscoa!! Bj, ale

pen*ka*la disse...

muita saudade me deu agora dos tradicionais ovos polacos (casca de ovo enfeitada, pintada com mil motivos coloridos. e dos folares de páscoa que a minha vó fazia. e da surpresa que era esperar amanhecer pra ver, no pé da cama, a cesta (a mesma de sempre, entra ano, sai ano) cheia de coisinhas (milhares de coisinhas baratas e gostosas que valiam muito mais que os ovos caríssimos que eu via meus amigos ganharem. e a minha páscoa durava meeeeeses. depois do dia, em si, a mãe guardava tudo e dava um pouco de chocolate pra cada uma, depois da refeição, pra gente não comer tudo duma vez.
que saudade, meu deus.

Eva disse...

Claudia: me passa a receita da redução gradual da oferta de chocolate, pliiiiiis.
Tânia: com Marienkäfer Laden no nome, acho que não estás longe das alemoices, né? Sempre fiquei curiosa sobre esse nome, um dia me conta o que é. E sim, a gente esconde os ninhos, e há requintes de sadismo na atividade. Soube de um pai que colocou o ovo maior do filho dentro do bojo de luz.
Édnei: eu tento preservar os cestos, e encaro como uma força que dou pra que os índios do Morro do Osso diversifiquem seu mix de produtos. Mas os tais cestos tem obsolescência programada, se desmancham em 2 anos, o que confirma que os índios do Morro do Osso fizeram intensivo de marketing e leram Porter e Kotler.
Claudinha: espero que tua Páscoa tenha sido deliciosa.
Toninho: teu gosto converge com a da torcida do Flamengo, tenho certeza.
Ale: sim, e o pior do pior são os opressivos corredores de super com ovos te ameçando por todos os lados, né?
Penkala: que deliciosa e nostálgica essa tua descrição. E na Alemanha também se pintam casquinhas, tem coisas liiindas, e tão frágeis, o que torna mais lindas ainda.

Édnei Pedroso disse...

Eu sempre desconfiei disso.