quinta-feira, 27 de novembro de 2008

tele-surdo

Reclamar de telemarketing é lugar comum. Acho que todo blog que se preste a falar sobre experiências já reclamou disso.
Também acho que trabalhar com telemarketing deve ser algo digno de um lugar no céu com passagem sem escalas para o paraíso. Não deve ser fácil passar o dia oferecendo coisas pra gente que nem sequer tem um fio de cabelo de desejo por aquilo que está sendo oferecido e ainda ouvir com freqüência atrocidades mil, muitas ditas com razão, principalmente quando nos acordam pela manhã.

Mas enfim, descobri o segredo do treinamento para um bom atendente de telemarketing. Nunca ouvir o que a gente tem pra dizer. Nossas falas são registradas como espaço de espera, intervalo de fala, tempo pra língua, parada pra molhar o bico.

Eu trabalho em casa. E não passa um dia sequer sem que alguém ligue oferecendo ou pedindo algo pra marido (a linha está no nome dele). Digo que ele só chega em casa depois das 21h, o que não é nenhuma mentira. Mas também escolho este horário porque sei que esses tele-enchedores-de-saco trabalham só até 20h. Quando respondo dessa forma, recebo um "então eu torno a ligar em outro horário". E eu pergunto se ele trabalha depois das 21h e ele me diz que não. Então por que vai ligar em outro horário sabendo que marido não estará?
E ainda ouço um "obrigado pela atenção, minha senhora, volto a ligar em outro horário". E lá vai o moço da língua cansada e ouvido que não funciona colocar ao lado do nome de marido 'não contatado'. E começa tudo outra vez no dia seguinte.

Agora a minha fala mudou: tu me dizes o que queres oferecer pra ele, deixa o teu telefone, eu passo o recado e se ele tiver interesse ele te liga. E eu continuo ouvindo: então eu torno a ligar em outro horário, minha senhora.

Não dá pra distribuir uns cotonetes pra esse povo, não?

6 comentários:

Silvia disse...

Venuss, obrigada pelo recadinho... fico feliz que o Jafar está tão bem acompanhado :)
ele precisava ir... a gente entendeu... mas vai ser bem estranho contar tantas manias e histórias daquele gatão sabendo que ele não está mais com a gente...
Bjocas

Édnei Pedroso disse...

Da próxima vez que ligarem, diga umas coisas bizarras, simule sexo, faça perguntas escabrosas: faça do inconveniente algo divertido e dê ao pobre diabo do outro lado da linha uma história engraçada que ela possa contar aos amigos em momentos alegres (olha que alma caridosa a sua, não?)...

Mas se tu quiseres extravasar algo ruim, tb vale: ative sua Síndrome de Torette e manda ver.=P

Toninho Moura disse...

Comentarei em outro dia e horário.

Claudia Goulart disse...

Sabe o que eu faço: dgo que os patrões só vão chegar as 8 ou 9 horas.
Tempo percebido que eles não ligam mais.
Mas que é um saco essas ligaçõe, isso é mesmo.
bjs

Claudinha disse...

Volto amanhã então, senhora, boa noite!
:)

Silvia disse...

Oi Venuss!
então, encontramos um vermífugo tópico pra gata! :)
fiquei bem aliviada!
Mas agora tem outro remédio pra dar, um antibiótico! e não são três... são cinco (!) dias seguidos! =(
ahhhhhhhhhh