sexta-feira, 30 de maio de 2008

Lu-luzinha

Nunca pensei que eu pudesse chegar a esse ponto.
Mas tenho que admitir: eu comprei um tênis de luzinha pra minha filha. E não é só isso. Comprei um tênis de luzinha e ainda por cima achei lindo.
Definitivamente a maternidade acaba com o bom senso das pessoas.

5 comentários:

ale disse...

Guria, que coincidência: hoje falei sobre isso com meu pai. A Marina pediu de aniversário pra ele um desses tênis. Eu relutei o quanto pude, mas acho que vai rolar. Socorro! Um dos argumentos dela é que todos colegas da sala tem, menos ela e mais uma. E eu respondi que é pq. elas duas e suas mães (minha amiga) tem bom gosto. Mas acho que semana que vem vou trocar pro time das mães de mau-gosto! Que nem tu!! Ha ha!!

venuss disse...

Pois eu sempre que vejo uma criança com tênis de luzinha digo pro marido que, se um dia eu comprar um desses pro Jr. ou Jra. (eles ainda são seres inominados), ele trate de me internar. Mas já tô percebendo que devido aos muitos "só eu que não tenho" vou ter que escolher entre ceder ou passar boa parte da minha experiência maternal com camisa de força.
bj, bom te ver por aqui

Toninho Moura disse...

Compre um para você também.

Maroto disse...

aposto que ainda pagou caro e sorriu quando viu a cara de alegria da pimpolha. Estou definitivamente de acordo com você, aquela bagunça nos hormônios durante a gravidez altera os níveis dos neurotransmissores, e nos condena à bobeira eterna. Portanto, Venuss, nunca diga deste tênis não comprarei!

Eva disse...

Ale: o pior, querida, é que depois nos julgam pelas roupas - e pelos tênis de luzinhas - das filhas. Estamos perdidas...
venuss: tem algumas coisas que a gente segura no peito, tipo sutiã (!) e sapato de plataforma. Mas aí acaba cedendo em outras, como o tênis de luzinha, por exemplo.
Toninho: sou mais a minha Conga vermelha.
Maroto: sim, aquela bobeira da gravidez vai durar eternamente. Ontem cheguei a pensar em levar a filha no espetáculo da Xuxa, quando li que ia ter um enorme dragão inflável ou animado ou sei lá o quê.