quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Só pra porteiro?

Dizem que expliocação é pra porteiro de boate, mas tem horas que também serve na porta da escolinha.
Ontem, meu marido e eu estávamos entregando junto a filha na escolinha. Momento raro, a vida é corrida, sabe como é. Éramos a família margarina, que delícia.
Tia Helena, a senhora do lanche, nos recebe, nisso chega uma avozinha trazendo o neto, e logo mais outra mãe.
Na porta da escola, minha filha pergunta, obviamente bem alto: mamãe, quando tu chegar da aula de noite tu me acorda me dando marteladas?
Sorrisos constrangidos generalizados. Em tempos de monstruosidades com crianças, o pessoal estava quase chamando o ministério público, a polícia federal e o Batman também. Rapidamente meu marido gagueja algo sobre o grande, colorido e alegre martelo de plástico - bem molinho e que que faz quiii - que minha filha ganhou da avó.

10 comentários:

Enio Luiz Vedovello disse...

Até eu me assustei por um segundo. Mas antes de pensar em uma masoquista-mirim, pensei em alguma expressão gaúcha que eu não conhecesse...

Cláudia disse...

Tua filha é o máximo, Eva.... ela já pode ser calçola-mirim!
beijos

ale disse...

Ha ha ha! Só imagino a cara de vocês...

Pâmela disse...

hahahahahahahaha!
E eu imagino a cara dos presentes!
Aposto como já tinha gente com o celular na mão!

Claudia Goulart disse...

Eu sabia que de uma Eva nunca poderia vir uma maldade.

Hoje em dia todo cuidado é pouco!
bjs

Garotas de Vinte e Poucos disse...

Ai Eva... que mico!
Eu trabalhei com crianças nos EUA, e um dia, na porta da escola uma delas gritou: VC JURA QUE NÃO VAI ME LAVAR NA MÁQUINA DE LAVAR ROUPA PRA VC PODER ME COMER!!??
E p/ explicar??? Sem explicação....

Bjo
*Lala*

Eva disse...

Enio: pois agora que falaste, vou até olhar no dicionário de gauchês, do Lís Augusto Fischer, pra ver se não tem nada com martelo.
Claudia: sim, uma mini-calçola seria lindo. O nome ela quase sabe escrever.
Ale: sabe cara de tacho? Pois foi exatamente assim que ficamos.
Pâmela: tinha gente com celular, e a tia do lanche tava indo pegar a frigideira pra bater em nós.
Claudia G.: ah, nós Evas fazemos horrores depois duma maçãzinha...
Garotas...: que maravilha essa frase. A história tá no teu blog, né? Se não está, precisa ser contada já.

venuss disse...

vou pedir o martelo mágico da Mari emprestado, pq tô precisando acordar mais cedo de manhã e não tá rolando.

Quem sabe eu vou contigo entregar a pequena na escola amanhã e comento com ela no portão, em alto e bom som: não te preocupa, Mariana, amanhã a tua mãe não vai mais te acordar com martelada, pode dormir tranqüila.

Toninho Moura disse...

Criança fala cada coisa!
Imagina se ela diz algo como "Papai falou que coração tem pernas!", ou "Não entendo..., mamãe falou que tava doendo, depois falou que tava gostoso...".

Em tempo, sabe o que porteiro de boate e ginecologista tem em comum?

Braços!

Maroto disse...

lembrei de uma reportagem que li uma vez sobre um artigo sério, feito por psiquiatras idem, sobre adultos que comentam em terapia que quando eram crianças mentiam sobre crueldades para colocar os pais em saia justa. Sabe o que motivou a reportagem? Uma belezinha inglesa dizendo para a vovó, que tinha ficado com a custódia: if you don't do what I want, I will invent a bad story like I did about mum and dad and you will go to jail too. Se bem me lembro os país não estavam presos, só em julgamento...
Em suma, só dando com um martelo nesses pestinhas :P