terça-feira, 22 de janeiro de 2008

Três anos

Hoje faz 3 anos que a gente mora junto (o que pra mim é o mesmo que estar casada). São mais de 7 anos vivendo aquela coisa de namorados: mãozinha, beijinhos, carinhos. A gente só perde feio pra adolescente em parada de ônibus (alguém já percebeu o que é o grude de um casal de adolescentes esperando o ônibus?). Isso de casal in love continua tão presente que eu vivo brincando que a gente se conheceu na sexta passada, no Bonami. O Bonami é um bar-boate boca braba que fica na Salgado Filho, no centro de Porto Alegre. Comecei essa história da 'sexta no Bonami' quando há anos vi uma notícia no jornal de um tiroteio no bar. E ali falava algo como se brigas, armas e facas fossem algo freqüente no local. Depois fiquei sabendo que bêbados e pistoleiras eram os principais personagens deste clássico estabelecimento. Daí, pro Bonami virar piada interna quando alguém fica olhando muito pra gente foi um pulo. Ou eu pergunto bem alto pro marido se eu tô cagada pra ver se a pessoa se toca (mas este era pra ser um post romântico e o cagada não deveria constar, mas agora foi).

Bom, pra marcar estes três anos, resolvi abrir uma exceção e contar coisas boas do marido. Porque vocês sabem que não se faz propaganda de homem assim à toa, vai que alguém se interessa. Mas ontem lembrei de uma coisa super delicada e carinhosa que ele fez enquanto eu estava com a tal intoxicação alimentar, além de preparar sopinha, comprar remédio e ficar ligando pra ver se eu estava bem. E achei que seria perfeito postar a lembrança aqui hoje.

A gente costuma comprar água mineral em galões de 5l da Fonte Ijuí. Mas acontece que a marca mudou suas embalagens e os antigos galões azuizinhos com a prática alça foram substituídos por galões transparentes e gordos, sem alça e bem ruinzinhos de servir o líquido. Antes de trabalhar, marido pegou um galão cheio desses novos e colocou um litro d'água dentro do galão antigo e deixou em cima da pia. Assim, como eu estava bem fraquinha, não teria que fazer muita força pra servir um copo d'água. E ele só foi me contar deste cuidado uns dias depois, quando perguntei porque o galão guardado não estava cheio.

Agora deu. Quando a gente completar 30 anos de casados, eu conto outras coisinhas bonitas que ele faz pra mim.

5 comentários:

ale disse...

Coisa mais singela e querida, Venuss! Me faz bem ouvir esses relatos, ando precisando de exemplos reais de amor e romantismo, já que acredito muito nisso, mas as vezes parece que é só coisa de seriado americano..
Viva o amor!!
Beijo e parabéns pra vocês!

dagwood disse...

Nós, aqui, já passamos de 10 anos, e procuramos sempre cuidar um do outro, com o tempero do Amor q nos mantém unidos, me atreveria a dizer, desde sempre.

Parabéns pela data! Espero q, para sorte de seu marido, vc conte mais alguma coisa boa dele antes, rs.

Abraço!

Enio Luiz Vedovello disse...

Desejo que possamos ver muitos posts como este, Venuss...

Maroto disse...

eu pensava que tinha encontrado marido num lugar improvável, mas sexta no Bonami ganhou o prêmio :D O conselho da tia Urubu é não fazer propaganda nem daqui há cinquenta anos. O mercado está péssimo há décadas e não dá sinal de melhoras - daí que conforme o tempo passa a concorrência fica ainda mais violenta

venuss disse...

ALE, não perde as esperanças, garota. Agora se ficar todo dia trancada em casa vendo par romântico em seriado americana, daí fica complicado.

DAGWOOD, sabes bem a receita, né? 10 anos bem temperadinhos. Sobre contar alguma coisa a mais de marido, olha o comentário da Maroto logo abaixo do teu. Não dá pra bobear.

MAROTO,
a sexta no Bonami é piada pronta aqui em casa. E vou seguir os conselhos da sábia e experiente tia urubu, pó dexá!